quinta-feira, 30 de maio de 2013

Tempo



De sentir-se atraído por alguém,
Que é de paixão, de perder o fôlego,
De gelar as mãos...
E pisar alto, rir à toa,
De qualquer fato,
Amar, sem ouvir a razão...
Tempo, tempo, tempo,
Pareceu-me tão breve,
Não dei-me conta,
Seu passar...
Deixa, tempo, deixa!
O novo eu conquistar.
E a brindar sigo...
Seguirei, talvez,
Sempre, ao amor...
De ontem, de hoje
E de amanhã,
Sentindo-me sempre assim...
Sua.
Desejos? Os tenho, que não penses,
Ou quisera poder pedir-te...
Não ouses,
Esquecer-me,
Jamais...
Tempo, tempo, tempo.

Dulce Simões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário